sábado, 19 de janeiro de 2013

Hora de dar o troco!


Atendente da Oi...

- Alô.

- Alô, poderia falar com o responsável pela linha?

- Pois não, pode ser comigo mesmo.

- Quem fala, por favor?

- Edson.

- Sr. Edson, aqui é da OI, estamos ligando para oferecer a promoção OI linha adicional, onde o Sr. tem direito...

- Desculpe interromper, mas quem está falando?

- Aqui é Rosicleide Judite, da OI, e estamos ligando...

- Rosicleide, me desculpe, mas para nossa segurança, gostaria de conferir alguns dados antes de continuar a conversa, pode ser?

- Bem, pode..

- De que telefone você fala? Meu bina não identificou.

- 10331.

- Você trabalha em que área, na OI?

- Telemarketing Pro Ativo.

- Você tem número de matrícula na OI?

- Senhor, desculpe, mas não creio que essa informação seja necessária.

- Então terei que desligar, pois não posso ter segurança que falo com uma funcionária da OI. São normas de nossa casa.

- Mas posso garantir....

- Além do mais, sempre sou obrigado a fornecer meus dados a uma legião de atendentes sempre que tento falar com a OI.

- Ok.... Minha matrícula é 34591212.

- Só um momento enquanto verifico.

(Dois minutos depois)

- Só mais um momento.

(Cinco minutos depois)

- Senhor?

- Só mais um momento, por favor, nossos sistemas estão lentos hoje.

- Mas senhor...

- Pronto, Rosicleide, obrigado por ter aguardado. Qual o assunto?

- Aqui é da OI, estamos ligando para oferecer a promoção, onde o Sr. tem direito a uma linha adicional. O senhor está interessado, Sr. Edson?

- Rosicleide, vou ter que transferir você para a minha esposa, porque é ela que decide sobre alteração e aquisição de planos de telefones.

- Por favor, não desligue, pois essa ligação é muito importante para mim.

(coloco o telefone em frente ao aparelho de som, deixo a música Festa no Apê do Latino tocando no Repeat (quem disse que um dia essa droga não iria servir para alguma coisa?), depois de tocar a porcaria toda da música, minha mulher atende:

- Obrigado por ter aguardado.... pode me dizer seu telefone pois meu bina não identificou..

- 10331.

- Com quem estou falando, por favor.

- Rosicleide

- Rosicleide de que?

- Rosicleide Judite (já demonstrando certa irritação na voz).

- Qual sua identificação na empresa?

- 34591212 (mais irritada agora!).

- Obrigada pelas suas informações, em que posso ajudá-la?

- Aqui é da OI, estamos ligando para oferecer a promoção, onde a Sra tem direito a uma linha adicional. A senhora está interessada?

- Vou abrir um chamado e em alguns dias entraremos em contato para dar um parecer, pode anotar o protocolo por favor.....alô, alô!

TUTUTUTUTU...

- Desligou.... nossa que moça impaciente!

(Autor desconhecido)


Por achar o texto, ainda mais com o vídeo, interessante e por ele refletir uma realidade bastante comum a todos nós, acho que poderia render "pano para manga" em uma atividade com nossos alunos! Mas a pergunta é: como vocês trabalhariam com ele? Aguardo sugestões, viu! 

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Quem sou eu?

Juju

Eu era sozinha. Vivia suja e na rua.
Eu era muito malcuidada. Vivia jogada na rua, sem comer, e já estava magrinha. Sou uma cachorra vira-lata. Dormia por aí, vivia muito triste. No frio, era um horror! Ficava na rua morrendo de frio.
Foi num desses dias de frio que Fernanda, uma menina, me encontrou. Eu estava encostada numa lata de lixo, tremendo de frio! Estava bem quietinha. Ela falou:
-- Coitadinha dela, está tão quieta, tão fria!
Ela me pegou no colo, tirou o xale que estava vestindo por cima do casaco e me enrolou. Eu fiquei quentinha e agradeci:
-- Au! Au! Au!
Ela me levou para a casa dela e me deu um banho bem quente. Depois me deu um prato cheio de carne! Eu comi tudo!
No dia seguinte, Fernanda me deu uma casinha! Imagine, uma casa! Toda de madeira, pintada de branco e cor-de-rosa! Dentro, tinha um cobertor branco e cinco almofadas cor-de-rosa! Ela amarrou uma fita branca na minha cabeça e eu entrei, feliz, na casinha.
Ela ainda falou:
-- Seu nome é Juju!
E eu dormi.
Hoje sou a cachorra mais feliz do mundo, eu acho...

(Juliana - 9 anos)

Quando você escreve um texto, não é necessário contar a própria vida, isto é, contar o que você fez, pensou ou sentiu. Você pode escrever sendo uma outra pessoa. Juliana, uma menina de nove anos, imaginou que era uma cachorra vira-lata. 

Imagine que você é um animal, um objeto ou uma outra pessoa. Escreva como se você fosse uma dessas personagens. Arrase! 

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Só faltava esta!!!


Engraçado que tem um monte de policial desonesto, corrupto, abusando do poder, burro, safado, batendo em mulher... e esses não são punidos, mas fazer poesia agora é quase um crime! Sinceramente? Acho que deveriam EXONERAR logo o policial, pois está na cara que ele está muito ACIMA da classe e merece um serviço muuuuuuuito melhor! Isso sim! 

Lembrei-me deste texto aqui, que vocês devem conhecer também:

AMOR DE CONTABILISTA EM CARTA COMERCIAL

           Prezada senhorita:

           Tenho a honra de comunicar  a V. S. que resolvi, de acordo com o que foi conversado com seu ilustre progenitor, o tabelião juramentado Francisco Guedes, estabelecido à Rua da Praia, número 632, dar por encerrados nossos entendimentos de noivado. Como passei a ser o contabilista-chefe dos Armazéns Penalva, conceituada firma desta praça, não me restará, em face dos novos e pesados encargos, tempo útil para os deveres conjugais.

           Outrossim, participo que vou continuar trabalhando no varejo da mancebia, como vinha fazendo desde que me formei em contabilidade em 17 de maio de 1932, em solenidade presidida pelo Exmo Sr. Presidente do Estado e outras autoridades civis e militares, bem assim como representantes da Associação dos Varejistas e da Sociedade Cultural e Recreativa José de Alencar.

          Sem mais, creia-me de V. S. patrício e admirador,

                                                                                Sabugosa de Castro  

(José Cândido de Carvalho)

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Pensamentos para provas e atividades III

"O sábio nunca diz tudo o que pensa, mas pensa sempre tudo o que diz." 
(Aristóteles)

"Quando tudo nos parece dar errado, acontecem coisas boas, 
que não teriam acontecido se tudo tivesse dado certo." 
(Renato Russo)

"É preferível rezar com o coração sem encontrar palavras
 que achar palavras sem a adesão do coração." 
(Mahatma Gandhi)

"Apenas sei que o mundo necessita de ser mais humano".
(José Saramago)


"Tem muito carro e pouco chão, tem muita gente e muito pouco pão,

tem muito papo e muito pouca ação, muito parente e muito pouco irmão".
(Arnaldo Antunes)

"Desistir... eu já pensei seriamente nisso, mas nunca me levei realmente a sério;

é que tem mais chão nos meus olhos do que o cansaço nas minhas pernas,
mais esperança nos meus passos, do que tristeza nos meus ombros,
mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça."
(Cora Coralina)


"Temos a arte para que a verdade não nos destrua."

(Nietzsche)

"Aonde fores vai com todo seu coração."
(Confúcio)

"A verdade é encontrada quando os homens são livres para procurá-la."
(Roosevelt)

"A mais degradante escravidão é ser escravo de si mesmo."
(Sêneca)

"A árvore torna-se sólida com o vento."
(Sêneca)

"Vocês podem me acorrentar, torturar e até destruir meu corpo,
mas nunca aprisionarão a minha mente."
(Mahatma Gandhi)

"Desaprovo o que você diz, mas defenderei até a morte seu direito de dizê-lo."
(Voltaire)

"Quando uma nação começa a pensar, é impossível detê-la".
(Voltaire)

"Nunca se deve engatinhar quando o impulso é voar."
(Helen Keller)

"A vida é maravilhosa quando não se tem medo dela."
(Chaplin)

"É preciso ser duro, mas sem perder a ternura jamais."
(Che Guevara)

"Olho por olho e o mundo acabará cego."
(Mahatma Gandhi)

"Aquele que nunca amou não pode ser bom."
(Cervantes)

"Vire-se para o sol e não poderá ver as sombras."
(Helen Keller)